Carregando...
 

Hipertexto

A idéia de hipertexto foi enunciada pela primeira vez por Vannevar Bush em 1945, em um célebre artigo intitulado "As We May Think". Bush era um matemático e físico renomado que havia concebido, nos anos trinta, uma calculadora analógica ultra-rápida, e que tinha desempenhado um papel importante para o financiamento do Eniac, a primeira calculadora eletrônica digital. Na época em que o artigo foi publicado pela primeira vez, nosso autor encontrava- se na chefia do organismo encarregado de coordenar o esforço de guerra dos cientistas americanos, sob as ordens do Presidente Roosevelt. (Pierre Lévy)

Vannevar Bush

As we may think


“Nossa falta de habilidade para manusear registros (arquivos) é largamente causada pela artificialidade dos sistemas de indexação. Quando um dado de qualquer tipo é colocado em estoque, eles são arquivados em ordem alfabética ou numérica, e a informação é encontrada (quando encontrada) através de descobertas de subclasse para subclasses. Só pode estar em um lugar, a não ser que duplicatas sejam usadas; o indivíduo deve ter regras por quais caminho vai encontra-lo (o dado), e as regras são enfadonhas. Tendo encontrado um item, além disso, o indivíduo deve emergir de um sistema e entrar novamente em outro caminho. A mente humana não trabalha deste jeito. Ela opera por associação. Com um item em sua posse, ela move instantaneamente para a próxima que é sugerida pela associação de conceitos, de acordo com uma teia intricada de trilhas levadas pela células do cérebro … o homem não pode esperar copiar completamente estes processos mentais artificialmente, mas ele certamente deve ser capaz de aprender deles (processos mentais). De maneira inferior, ele pode até mesmo melhorar, pois seus registros têm relativa permanência. A primeira idéia, no entanto, a ser retirada da analogia concerne a seleção. A seleção por associação, preferivelmente à indexação, também pode ser mecanizada (...)

Todos nossos passos, em criando e absorvendo material do registro ocorre através de um dos sentidos - o tato quando tocamos chaves, o oral quando falamos ou ouvimos, o visual quando lemos. Não seria possível que um dia o caminho fosse estabelecido de maneira mais direta? (...)

O Hipertexto proporciona para o elemento humano no manuseio da informação ... já que o Hipertexto faz analogia com a maneira como nossa mente geralmente trabalha (isto é, não em linha reta, mas em diversas dimensões de uma vez só), o hipertexto pode ser considerado uma máquina de pensamento, de conceitos. Alguns alegaram que a idéia do hipertexto é uma dessas idéias cruciais na história intelectual, similar ao desenvolvimento da imprensa e do computador mesmo”.

Personalização de conteúdo, hipertextualidade, multimidialidade, perenidade,

Todos os sítios Internet realizados, apresentam, de certa forma, em maior ou menor grau, as potencialidades que M. Palaciosi aponta: personalização de conteúdo, hipertextualidade, multimidialidade, perenidade, instantaneidade e interatividade. Procuro distingui-las brevemente a seguir. A personalização de conteúdo, isto é, a disponibilidade de armazenamento (in loco ou acessado por links) de dados multimídia (imagens, animações, vídeos, sons, além de textos), oferecendo ainda a possibilidade de selecionar as informações de interesse e criar ambientes de estudo pessoais, para internautas registrados. A hipertextualidade cria a oportunidade de o leitor fazer uso de uma “teia de links” para se aprofundar mais no tema de interesse. A riqueza das citações em um texto efetiva-se na indicação de inúmeros enlaces que assim o enredam, e remetem o leitor diretamente às fontes e esclarecimentos necessários. A multimidialidade está na forma de apresentar o texto, na Internet pode-se usar recursos de outras mídias como recursos de vídeo, áudio, galerias de imagens. Nem sempre é necessário se reproduzir estes recursos junto ao texto, dada a característica acima de hipertextualidade. A perenidade que permite a “memória” do acervo de textos, possibilitando acompanhar a evolução de estudos e pesquisas. A instantaneidade, isto é, a condição chamada de “tempo real”, na quase simultaneidade da produção do texto e sua divulgação. A interatividade está presente já que o leitor passa a fazer parte do hipertexto através de salas de bate-papo (ou os chamados chats), fóruns ou e-mails.

Compartilhar

Notícias

Recomendamos o livro «Sobre a Essência da Informática», aos interessados em uma reflexão filosófica sobre a técnica, e em particular a informática. Para ler o livro é necessário o leitor Kindle, seja individual ou seja para PC, Mac ou IPAD. O livro pode ser comprado e baixado na: AMAZON e AMAZON BRASIL